Quinoa: biopirataria no coração de Anjou

red-faro01

Os objetivos primários e declarados neste artigo é destacar certas práticas comerciais no setor da produção e distribuição da quinoa orgânica, seja ela a quinoa boliviana orgânica ou a quinoa orgânica licenciada produzida na França, e simplesmente criar uma campanha internacional acabando com qualquer registro de patentes e outras atitudes semelhantes, visto ser patológica e sem sentido a atitude da Matrix agrícola biocida, e esta espécie de alimento, a quinoa Chisiya Mama, ser emblemática dos povos andinos.

Passados 500 anos, os povos andinos continuam martirizados pela praga ocidental: não podíamos deixá-los tranquilos, pelo menos, a Quinoa, simbolicamente?

A Kokopelli protege a ideia do domínio público há 23 anos. Mas “domínio público” não significa que as variedades da Kokopelli tenham caído do céu. Grande parte das novas variedades e de polinização livre que nós distribuímos, são originários das pesquisas de pessoas como Mushroom Tom Wagner, Frank Morton, entre outras. Estes agrônomos / agricultores doaram suas criações varietais de trabalho para o domínio público, e este é o caso de muitas delas, mas não todas, novas variedades selecionadas pelas universidades norte-americanas.

Sobre a Kokopelli:

Kokopelli é uma associação francesa sem fins lucrativos fundada em 1992 que distribui sementes provenientes da agricultura orgânica e biodinâmica, a fim de preservar a biodiversidade das sementes e legumes. Em 2007, ela distribuiu 550 variedades de tomate, 300 variedades de pimenta, 130 variedades de alface, 150 variedades de polpa, 50 variedades de berinjela, dentre outros. Possui também objetivo de informar os cidadãos sobre temas tão diversos como o abuso gerado por patentes de sementes e pressionar a pesquisa sobre os organismos geneticamente modificados (OGM).

Por Dominique Guillet, um dos atores principais das sementes livres do Planeta, e parceiro da Rede de Sementes Livres do Brasil (http://redesementeslivresbrasil.org/).

Fonte: http://blog.kokopelli-semences.fr/2016/04/quinoa-le-bio-piratage-au-coeur-de-lanjou/

Anúncios
Esse post foi publicado em Notícias. Bookmark o link permanente.