Exportações de produtos apícolas beneficiam produtores de diversos estados brasileiros

images-3-456x294

Brasília – A apicultura tem grande relevância na economia e no comércio internacional, tornando-se fonte de renda e sustento para produtores rurais de diversos países. Considerando a importância do mel entre os produtos apícolas –que incluem entre outros cera de abelha, própolis e geleia real-, é interessante analisar sua produção e comércio em todo o mundo.

De acordo com informações do Boletim Agronegócio Internacional da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) mostra que o planeta produz cerca de 1,6 milhão de toneladas de mel por ano, com base em dados de 2012 e 2013. Desse total, aproximadament 550 mil toneladas são comercializadas internacionalmente, movimentando US$ 1,49 bilhão por ano entre 2012 e 2014.

Segundo o boletim, os Estados Unidos são o principal comprador mundial desse produto. Entre 2012 e 2014, o país importou, em média, US$ 486,21 milhões (153,34 mil toneladas). Além dos EUA, estão na lista dos maiores importadores de mel a União Europeia (com US$ 342,17 milhoes), Japão (US$ 113,95 milhões) e Arábia Saudita (US$ 70,62 milhões).

A China, maior exportadora, arrecada anualmente US$ 240,62 milhões com a venda de 121,6 mil toneladas de mel, mantendo uma participação de 16,1% do comércio mundial desse produto. Por sua vez, a Argentina aparece como segunda maior exportadora mundial de mel, mantendo 14,1% desse mercado. As mais de 65 mil toneladas exportadas anualmente pelo país representam mais de três quartos de sua produção, gerando receita anual de US$ 240,74 milhões à Argentina.

No Brasil, a atividade apícola tem se apresentado como uma alternativa para os pequenos produtores rurais, uma vez que demanda baixo investimento. Atualmente, o Brasil se insere como um player intermediário no mercado internacional de produtos apícolas, ocupando a sétima posição entre os maiores exportadores do setor.

Segundo a FAO, o país produz aproximadamente 35 mil toneladas de mel por ano. Cerca da metade desse volume é destinada ao mercado externo, rendendo anualmente cerca de US$ 70 milhões aos exportadores brasileiros. As vendas externas do produto atingiram o pico em 2014, quando foram exportadas 25,3 mil toneladas, gerando uma receita de US$ 98,58 milhões.

As exportações brasileiras de mel concentram-se em oito estados, com destaque para São Paulo em média, maior exportador nacional, com US$ 20,56 milhões/ano), Santa Catarina (US$ 14,62 milhões/ano) e Paraná (US$ 10,38 milhões/ano). É importanre mencionar que há empresas que compram o mel de agricultores de outras regiões do Brasil e exportam nesses estados, o que pode inflar seus dados de exportação.

No caso de Santa Catarina, a média de US$ 14,62 milhões exportados por ano reflete apenas parcialmente o crescimento do estado nos últimos anos. De uma exportação de 1,52 mil toneladas em 2012, Santa Catarina passou a vender para o exterior 6,91 mil toneladas ou US$ 23,27 milhões, em 2015. Esse aumento de 307% se deveu, pelo menos em parte, ao investimento em apicultura orgânica e na melhoria da qualidade de seus produtos, que renderam ao mel catarinense o título de melhor mel do mundo em um congresso ocorrido na Ucrânia, em 2013.

Exportações de produtos apícolas beneficiam produtores de diversos estados brasileiros

Anúncios
Esse post foi publicado em Notícias. Bookmark o link permanente.